quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Prenda

Ora, vem,
Liberta-me de mim
E carrega-me ao teu peito.

(E deixa-me carregar-te a ti.)

Não te quero desiludir, meu bem,
Sei que o futuro é assim,
Incerto.

Mas, enquanto puder
Enquanto fervilhares no meu sangue,
E me inundes o meu querer...

Deixa que, um dia, te ame.

Sem comentários:

Enviar um comentário

O seu comentário é muito importante para mim! Obrigado!