sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Merecer o esforço

Eu procuro saber
E por mais que me interesse o que devoro
Às vezes teimo em não aprender,
Só decoro.

Sabes, não que as palavras sejam facas
Que haja frases fortes e fracas
É só que conversar me dá jeito
Pois dá-me a conhecer alegria e aproveito.

Tenho pena de quem vem e depois vá
De quem esteve e já não está
Mas se uma vez me senti abandonado
Porquê passar novamente por esse mau bocado?

Tanto mais que já tive estofo para me recompor
E nariz para captar o perfume do amor
Não vou deitar agora tudo a perder
Pois que quem me deixa, não o pode merecer.

2 comentários:

  1. Obrigada (: Entendo o teu ponto de vista, acabamos por escrever demais sobre o mesmo tema. Uma vez uma amiga minha disse-me que era mais fácil escrever do que falar, e acho que é disso que se trata. O que não podemos dizer, escrevemos. E o blog, pelo menos para mim, é uma espécie de diário, logo, acabo por dizer tudo lá $:
    Mais uma vez, gostei bastante do poema. E é verdade, quem te deixa, não merece que deites tudo a perder. (:

    ResponderEliminar
  2. Meus parabéns Ricardo pelo lindo poema e, mais uma vez seja bem vindo ao Poesia Pura, é um prazer tê-lo conosco!

    Abraços

    Christine

    ResponderEliminar

O seu comentário é muito importante para mim! Obrigado!