terça-feira, 12 de abril de 2011

Ida e volta, volta e ida


É assim: nem há muito p'ra dizer
Da vontade nasce pouca
A triste verdade de sentir
Até a voz fica rouca
Com o emprego de ter de rir
Mas enquanto enfim puder
Dar o meu beijo ou mordidela
Eu sempre voltarei
Mesmo que não p'ra junto dela

1 comentário:

  1. Bonito poema e bonito blog.
    Parabéns.
    Abraços e Felicidades

    ResponderEliminar

O seu comentário é muito importante para mim! Obrigado!