sábado, 4 de junho de 2011

Carta a Amores Sofridos

Não há mais para dizer,
Deste assunto em particular morrem as palavras
O assunto já tinha pressa de morrer
Logo que lhe apareceram as vadiagens...

esta carta contigo
Pois não a podes ler comigo.

Eu sei o quanto é difícil
Ter de morrer
Mas sempre vem um tempo
Para renascer...

O Sol todo o dia nasce
Para se sumir na Lua
E assim a tua chama renasce
Mesmo quando a tua tristeza actua...

Não te preocupes em perder sentido
Desde que te encontres contigo...

Eu sei o quanto é lixado
E o quanto choras para ti...
E chegas a pensar que é errado
O que sentiste e mostraste sentir.

Mas não, se está acabado
Foi por o sentir ter de se mudar.
Por isso, não fiques deitado
Na maré onde te vais afogar.

Diz merda! Diz fodace!
Diz o que te vem à cabeça...
A dor é tão grande, calejante
Que tens de libertar tanto amor...

Não deixes apenas que a dor te envolva
Não deixes apenas que o calo te mova
Não deixes apenas de sentir como sempre
Não deixes apenas de ser tu novamente...

2 comentários:

  1. Olá Caro Ricardo Barras, tudo beleza?
    Eu sou o Poeta Insano, membro do Forum CLube do Livro, vi o seu link e resolvi visitar. Achei muito bacana o seu blog, gostei das poesias que li. Eu também escrevo um blog de Poesias e gostaria de convida-lo para ler o que escrevo e segiuir o blog. Por ter gostado, já sou seu seguidor. Bem vindo a minha lista de leitura.

    P.S: Deixo aqui o endereço do meu site/blog

    http://www.tiagoo-tiagoo.blogspot.com

    Como não encontrei e-mail para contato resolvi comentar aqui.

    Abraço. Atenciosamente Tiago(Poeta Insano)

    ResponderEliminar
  2. quem morre de amor sabe o mais puro da liberdade. Grande poema tiago, decidi passar por aqui uma vez, bem, todos os poemas que aqui tens poes no luso também mas faz sempre bem passar pela casa de um poeta.
    Bom poema

    ResponderEliminar

O seu comentário é muito importante para mim! Obrigado!