segunda-feira, 27 de junho de 2011

Cavalgada

As crinas dos cavalos
Transportavam o vento
Que me fazia sair à entrada de qualquer porta
Em que me achasse de pé presente
Ao recalco inclinado do degrau.

E os cascos faziam-se mãos
Que não cravadas do ferro e do prego
Agarravam com força cada porção de sentimento
Em que a cabeça se tentava colocar...
E ia cavalgar.

Sem comentários:

Enviar um comentário

O seu comentário é muito importante para mim! Obrigado!