segunda-feira, 29 de agosto de 2011

......

Se morresses,
Agora,
E me deixasses nada mais que
O teu corpo
Imóvel
Deitado por sobre uma campa fria,
Ficaria
Eu,
Eu ficaria,
Imóvel
No teu corpo
Imóvel
E frio,
A pensar
Em todas as vezes que
Aquilo que te queria mesmo dizer
Guardei para mim
E a pensar
Em todas as vezes que
Aquilo que terias para me dizeres
Calaste,
E
Não teria mais para te oferecer
Do que as lágrimas
De alguém que perdeu o toque
Que perdeu o sentir
Para ti...

Sem comentários:

Enviar um comentário

O seu comentário é muito importante para mim! Obrigado!