segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Lirismo instantâneo

Cantam as aves e nada ecoa, o som é vazio e o mar parece não me querer matar a sede, a água salgada chama-me até ao fundo e os rios são o caminho que tomo, a morte pede-me tudo o que ninguém me aceita.

Sem comentários:

Enviar um comentário

O seu comentário é muito importante para mim! Obrigado!