quarta-feira, 27 de junho de 2012

fqmfam

foi quando me faltaste a mão

eu sempre dando a minha
sempre fazendo o que não farias
(toma nota: eu já sabia como ia ser
eu sabia mas deixei acontecer)

foi quando me faltaste a mão

mas não importa, eu desvaneço
para que não sintas a falta da minha
(ou para que sintas? será vingança?
talvez me queira sentir importante)

foi quando me faltaste a mão

mas não importa, eu apareço
porque há tantos mais que se estiquem
(desossam-se e quebram os dedos
para me dar as mãos, entendes?)

foi quando me faltaste a mão

eu, mesmo já sabendo, como já disse
finalmente tive mais que muitas razões
 (para trazer de volta o meu braço
e retirar as mãos do teu apoio)

2 comentários:

  1. "estão de mãos dadas, silenciosos e atemorizados. Cada um procura socorrer-se do outro, sabendo que, se se largam estão perdidos e também que se se não largam perdidos estão"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. daí que se desvaneça - não vale a pena alimentar o perdido,

      esperando que o tempo consuma a esperança que ainda possa restar num qualquer recanto mais escuro

      enquanto se dá as mãos aos outros e se dá a medo - "se precisares, só mesmo se precisares"

      Eliminar

O seu comentário é muito importante para mim! Obrigado!