quinta-feira, 28 de março de 2013

Reparem bem que não abandonei propriamente o tema café




Há a hipótese de que demasiado seja negro,
Demasiado seja frio, uma qualquer agonia escondida.

Há a hipótese de que demasiado seja dúvida,
Demasiado seja luz que pouco se vê, uma qualquer resposta.

                Entre todas estas hipóteses que me ponho
                Em que vivo, nado por entre o escorrer
                De ainda nem fazer nada, tão pouco,

                Penso, todos os dias penso, como se a tua mão
                Tocasse o céu que eu acho que vejo completo,
                Pois cego na penumbra de nunca te ter!

Há a hipótese de que demasiado seja negro,
Demasiado congele os dedos, e tudo caia destroçado.

segunda-feira, 25 de março de 2013

lachamionette

confunde-me

que não vejas a beleza dos espaços abertos
e dos espaços fechados
das árvores crescendo para ti
do ribeiro indomado

confunde-me

parecias perceber o que é bonito
se até no betão horroroso vias
laços de amor e coisas assim
tão vãs e tão de terra

sábado, 16 de março de 2013

3

hoje aqui pairo
desterrado do tempo
que nunca existe
(apenas o momento)

o rio sussurra
todas as vozes
que tento ouvir
numa procura vã

o que sou
está tão fechado
que não aceita
abrir-se ao mundo

sexta-feira, 15 de março de 2013

hh

não me compreendas
eu compreendo-me
compreende-te

a chave para o que digo
é saber todas as palavras
a mais pura loucura

o rio diz tudo como
diz tudo a vida
e tudo o que a contém

terça-feira, 12 de março de 2013

i just died in your arms tonight

No delírio de te ter desejado
- Qual razão melhor para afogamento
Do que não te ter então encontrado? -
Se a paz havia durou um momento.

Agora, a tua face ilumina em falso
O imenso espaço que me falta.
Entende que ver-te é estar descalço
Num chão frio que farta:

Ide-te de mim.

segunda-feira, 11 de março de 2013

Escreve para toda a gente

cantemos todos a nossa ode
aquela que sendo tão fútil
só fala da nossa fome
e em nada, mas nada, é útil.

assim como o enredo o manda
criemos títulos referentes a pouco
e a valores a que a alma irmana
apenas o desapego do mundo.

gritemos bem alto - um poema de amor!
no título mais hediondo para prostrar uma dor
só nossa que mais ninguém sente
ou identifica, por muito temente...

calemos esta fé desapega à vinda
de um comentário barato à escrita
e pensemos em criar, profundamente
algo que toque, no peito, na mente

não a um: a nós, que escrevemos
que nos tocamos quando depois lemos,
mas sim a vós, que nos descobrindo
descobrem o nosso mundo, possuindo-o

domingo, 10 de março de 2013

R.C.V.

Senhora de verve escassa
Nas voltas que dá no salão
É quando por mim passa
Que enfim lhe estendem a mão.

Parai! Não seja fútil em tal enredo
Nobre dama, conheço-a mais afoita
E tudo o que é belo esconde por medo
De que a prefiram completa tonta.

Ao invés de ensinar seus modos
Estica a saia num gesto com o sapato
Fitando em carteiras os rostos
Daqueles que nunca são de seu grado.

Senhora de verve escassa
Arranque agora a sua ilusão.
Em si sei mais bonança
Do que em toda esta porquidão

Por isso que a espere hoje aqui,
Na erma noite soterrado,
Para a ver brilhar - assim
 Como as estrelas - deixe-me espantado.

Em aplauso consternante então
Sua cara aústera, linda, corada
Finalmente na noite iluminada
E, senhora, eu dando-lhe a mão.

quinta-feira, 7 de março de 2013

boom boom

Enquanto a compreensão humana
Mil crianças que morrem
O pensamento sabe respostas
Que o mundo não pode dar.

Enquanto estudo Pessoa delirante
E o Quinto Império aplaudo,
Lá longe ao horizonte de mar
Tantos outros que se afogam.

Enquanto escrevo em reacção
Biliões de destrites descontentes,
Que não têm nem a humana Natureza
Para saber o que é ser gente,
Apertam-se nos ossos da sepultura
A procurar um casaco de pele ao frio.

quarta-feira, 6 de março de 2013

2 2 2 2 2

Nos braços erguidos somos todos
Sabendo que um não é um, mas muitos.

Auscultai agora os nossos peitos
E não ouvirás um único pulsar.

Todos nós somos únicos, eleitos,
Todos nós com direito a caminhar.

Por isso um luta por todos,
Por isso todos lutam por todos,

Em frente, seguindo o caminho inadiável
Num sentido cheio numa vida cheia.

terça-feira, 5 de março de 2013

5555555

eu sou sozinho
até que me agarres

se as tuas mãos me tocarem
na leveza de quem procura
talvez quem sabe me encontrem
no meio desta fase escura

eu sou sozinho
num quarto escuro
onde só penso
onde não faço