segunda-feira, 29 de abril de 2013

In many deep breaths



Pior que a suposta dor que atormenta
O bicho que remexe nas têmporas
O calo que rebenta nos ossos
E o maligno que se evapora dos poros.

Pior que a suposta dor que atormenta
Pensar perder o que vale tudo e nada

Por isso que facilmente largue
O que vale o efémero que brada.

Sem comentários:

Enviar um comentário

O seu comentário é muito importante para mim! Obrigado!